COBERTURA TAXONÔMICA

EscamaPirarucu_GE

A Bacia Amazônica tem a mais alta biodiversidade de peixes do mundo, com aproximadamente 2.400 espécies. Algumas dessas espécies apresentam as migrações em água doce mais longas do mundo, viajando mais de 4.000 quilômetros por trajeto. Espécies migratórias representam mais de 80% da captura de peixes na Amazônia, tornando-as essencial para a segurança alimentar e o desenvolvimento econômico na região.  

Inicialmente, focaremos nas seguintes espécies migratórias de bagres e peixes com escamas que são essenciais para a segurança alimentar e o desenvolvimento econômico na região:

 

Brachyplatystoma juruense (Camiseto, Zúngaro alianza, Zebra, Flamengo, Bagre, Achuni)

Brachyplatystoma platynemum (Baboso, Zúngaro tabla barba, Babão, Bagre baboso, Vaselina)

Brachyplatystoma rousseauxii (Dorado, Zúngaro dorado, Dourada, Bagre plateado)

Brachyplatystoma vaillantii (Pirabutón, Manitoa, Zúngaro manitoa, Piramutaba, Bagre)

Brycon amazonicus (Sábalo, Matrinxã, Matrinchão, Jatuarana, Yatorana)

Colossoma macropomum (Gamitana, Tambaquí, Pacú)

Piaractus brachypomus (Paco, Pirapitinga, Pacú)

Prochilodus nigricans (Bocachico, Boquichico, Curimatã, Sábalo)

Semaprochilodus insignis (Yaraqui, Jaraqui-de-escama-grossa, Jaraqui, Bocachico)

 

Visite a Iniciativa Águas Amazônicas e aprenda sobre pesca na Amazônia.